Aneurisma

O que é aneurisma?

O aneurisma é uma dilatação focal e permanente de um vaso sanguíneo. Nessa situação, há, pelo menos, 50% de aumento no vaso, em comparação ao diâmetro normal.

Os aneurismas podem ocorrer em diversos locais da circulação. O mais comum é o da aorta abdominal, que é nove vezes mais frequente do que no tórax.

Os aneurismas podem se manifestar também na aorta torácica e abdominal, ao mesmo tempo; nas artérias ilíacas; membros inferiores e superiores; artérias dos órgãos abdominais; e nas artérias intracranianas.

Como ocorre um aneurisma?

Apesar de as causas para os aneurismas serem diversas, a degeneração é a mais frequente.

Aspectos específicos, como a composição da parede das artérias, também influenciam no desenvolvimento de aneurismas. Porém, a intensidade e a duração do tabagismo são os fatores de risco mais significativos para a doença.

Outros fatores de risco associados são: faixa etária, sexo masculino, histórico familiar, hipertensão, colesterol elevado e doença coronariana.

Os aneurismas podem ainda ter como motivações: inflamações, dissecção arterial espontânea, traumas, anomalias congênitas e infecção.

A hereditariedade também é apontada cientificamente como fator que colabora para o surgimento de aneurismas. O risco de um parente em primeiro grau de um paciente com aneurisma de aorta abdominal desenvolver a mesma doença é de 12 vezes. Por esse motivo, recomenda-se que parentes de primeiro grau de pacientes com aneurismas procurem um cirurgião vascular a partir dos 50 anos de idade.

Como tratar um aneurisma

O objetivo do tratamento de aneurisma é prevenir seu rompimento, trombose ou a liberação de fragmentos de seu conteúdo no sistema circulatório.

O tipo de tratamento e resultados variam conforme a localização e extensão do aneurisma.

Os aneurismas em regiões com circulação colateral acessória podem ser excluídos da circulação por meio de embolização – preenchimento do aneurisma com material absorvente.

Já aneurismas em locais críticos da circulação são tratados por meio da substituição da parte doente por um substituto sintético ou enxerto.

Os aneurismas da aorta podem ser tratados pelo método endovascular, que é minimamente invasivo. Dessa forma, não é preciso realizar cirurgias longas, com maior risco.

Graças a equipamentos de alta tecnologia, os stents podem ser implantados em regiões de difícil acesso, com o auxílio de imagens. A técnica proporciona recuperação mais rápida, com menor índice de complicações.